ANÁLISE DA VULNERABILIDADE SOCIAL, ATRAVÉS DO SIG, DOS MUNICÍPIOS EM TORNO DO PARQUE ESTADUAL DO IBITIPOCA (MG), BRASIL

Taiana Evangelista dos Reis, Vivian Castilho da Costa

Resumen


A vulnerabilidade social é medida de acordo com os índices sociais de uma determinada região, podendo ser avaliados por saneamento básico, renda, escolaridade e pobreza. O presente trabalho visa estudar as áreas vulneráveis dos municípios (Estado de Minas Gerais) de Lima Duarte, Bias Fortes e Santa Rita de Ibitipoca, no entorno do Parque Estadual de Ibitipoca, através de técnicas de geoprocessamento para a análise dos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de infraestrutura e renda. Foi apresentado um mapa no qual determina os locais de baixa, média e alta vulnerabilidade social, favorecendo o planejamento de estratégias e ações do governo e gestores dos municípios estudados.

Palabras clave


Vulnerabilidade social; Sistema de informação Geográfica (SIG); Parque Estadual de Ibitipoca (MG).

Texto completo:

PDF

Referencias


ACSELRAD, H. (Org.). (2004): Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro, Relume Dumará: Fundação Heinrich Böll.

ALVES, H. P. da F. (2006): “Vulnerabilidade socioambiental na metrópole paulistana: uma análise sociodemográfica das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais.” Revista Brasileira de Estudos Populacionais. v. 23, n.1. [Consulta: 20/04/2014]. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0102-309820060001&lng=pt&nrm=iso

COSTA, N. M. C. (2002). Análise do Parque Estadual da Pedra Branca por Geoprocessamento: Uma contribuição ao seu Plano de Manejo. 317 p. Tese (Doutorado em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

IBGE (2010). Base de informações do Censo Demográfico 2010: Resultados do Universo por setor censitário 2010. [Consulta: 08/08/2014] Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/resultados

MENEGUETTE, A (1998). Sistemas de Informação Geográfica como uma Tecnologia Integradora: Contexto, Conceitos e Definições. São Paulo. Unesp. [Consulta: 12/01/2015] Disponível em: http://www.dnpm.gov.br/ba/conteudo.asp?IDSecao=288&IDPagina=1092

MOURA, A. C. M (2007). “Reflexões metodológicas com o subsídio para estudos ambientais baseados em Análise de Multicritérios.” In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Florianópolis. Anais… Florianópolis: IMPE, pp. 2899 - 2906. [Consulta: 11/01/2015] Disponível em: http://marte.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/sbsr@80/2006/11.13.14.41/doc/2899-2906.pdf

NUMMER, A. R., et al (2012). “Potencial Geoturístico do Parque Estadual da Serra do Ibitipoca, Sudeste do Estado de Minas Gerais.” Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ. Rio de Janeiro. Vol. 35, n.1, pp.112-122.

RIBEIRO, Manuel João (2006), “A construção de um modelo de análise da vulnerabilidade social aos desastres. Uma aplicação à colina do Castelo de S. Jorge”, Territorium, 13, 5 24. [Consulta: 10/02/2015] Disponivel em: http://www.uc.pt/fluc/nicif/riscos/Documentacao/Territorium/T13_artg/T13art02.pdf

SOUZA, Kátia Regina Góes (2013). A análise ambiental integrada para o estudo de fragilidade turística: um estudo de caso para o município de Duas Barras (RJ). 208 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

REIS, Taiana Evangelista dos. (2014) Análise da Vulnerabilidade Socioambiental na Zona de Amortecimento do Parque Estadual do Ibitipoca (MG), por Geoprocessamento: contribuindo no apoio à tomada de decisão. 120 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

VIGNOLI,J.R (2001). Vulnerabilidad e grupos vulnerables: un marco de referencia conceptual mirando a los jóvenes. Santiago do Chile, Nações Unidas.




DOI: http://dx.doi.org/10.21138/GF.397

Licencia Creative Commons

Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.


GeoFocus es la revista del Grupo de Tecnologías de la Información Geográfica de la Asociación de Geógrafos Españoles. Recibe soporte institucional y técnico de RedIRIS (Red Española de I+D soportada por el Gobierno de España), de la FECYT (Fundación Española para la Ciencia y la Tecnología) y Grumets (Grupo de Investigación Métodos y Aplicaciones en Teledetección y Sistemas de Información Geográfica).