ANÁLISE DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DA BACIA DO RIBEIRÃO DAS ABÓBORAS, EM RIO VERDE, SUDOESTE DE GOIÁS

Wellmo dos Santos Alves, Iraci Scopel, Alécio Perini Martins

Resumen


Objetivou-se avaliar a fragilidade ambiental da bacia do Ribeirão das Abóboras (199,1 km²), localizada no município de Rio Verde, Sudoeste de Goiás. Utilizou-se o método proposto por Ross (1994), baseado em classes de declividade, solos, erosividade, uso da terra e cobertura vegetal. A área de estudo apresenta: fragilidade ambiental potencial com predominância da classe baixa (72,73%), seguida pela classe muito baixa (23,40%) e classe alta (3,87%); médio risco de erosividade (643,04 tn.ha-1.ano-1); e fragilidade ambiental emergente com maior extensão da classe média (78,96%), seguida pela classe baixa (20,60%) e classe alta (0,35%). Estes resultados inferem que a bacia apresenta condições físicas e climáticas, na sua maior parte, favoráveis à sua conservação, mas o manejo dos solos inadequado, principalmente nas áreas com aspectos favoráveis à erosão, está causando prejuízos ambientais e, consequentemente, econômicos.

Palabras clave


Bacia hidrográfica, geotecnologias, gestão ambiental

Texto completo:

PDF

Referencias


Alves, W. S.; ScopeL, I.; Martins, A. P.; Morais, W. A. (2016): “Análise morfométrica da bacia do Ribeirão das Abóboras – Rio Verde (GO)”. Geociências, v. 35, n. 4, p. 652-667.

Bertoni, J. C. e Lombardi Neto, J. (2005): Conservação do solo. 5 ed. São Paulo (SP): Icone.

BDMEP – Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. (2015): Dados de precipitação de janeiro de 1996 a dezembro de 2015. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/projetos/rede/pesquisa/. (Consultado13-03-2016).

Botelho, R. G. M. (1999): “Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica” In: GUERRA, A. J. T., SILVA, A. S. da; Botelho, R. G. M. (Organizadores): Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 2.651. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 25 de maio de 2012. Disponível em: < http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=28/05/2012>. (Consultado 29-06-2016).

Cabral, J. B. P., Rocha, I. R., Martins, A. P., Assunção, H. F., Begat, V. A. (2011): “Mapeamento da fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do rio Doce (GO)”, utilizando técnicas de Geoprocessamento, Revista Geofocus, n. 11, p. 51–69.

Carvalho, N. O. Hidrossedimentologia Prática. (1994): CPRM – Companhia de Pesquisa em Recursos Minerais (RJ): Brasil.

Congalton, R. G., Green, K. (2009): Assessing the accuracy of remotely sensed data: principles and practices. 2 ed. New York: Lewis Publishers.

Crepani, E., Medeiros, J. S., Hernandez Filho, P., Florenzano, T. G., Duarte, V. e Barbosa, C. C. F. (2001): Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial, INPE, 64p. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/laf/sap/artigos/CrepaneEtAl.pdf. (Consultado 09-01-2017).

Donha, A. G., Souza, L. C. D. P. e Sugamosto, M. L. (2006): “Determinação da fragilidade ambiental utilizando técnicas de suporte à decisão e SIG”, Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 10, n. 1, p. 175–181.

Embrapa. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. (2017): Solos Tropicais/Argissolos. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CONTAG01_7_2212200611538.html. (Consultado 08-01-2017).

Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (2013): Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3 ed. Editores Técnicos, Humberto Gonçalves dos Santos et al. Rio de Janeiro - RJ: Embrapa Solos.

Ferreira, W. S. (2010): Cultivo do milho e da soja em sucessão as culturas de safrinha em Rio Verde – GO. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) – Universidade de Rio Verde, Rio Verde (GO).

Gonçalves, G. G. G., Daniel, O., Comunello, E., Vitorino, A. C. T. e Arai, F. C. (2011): “Determinação da fragilidade ambiental de bacias hidrográficas, Revista Floresta”, v. 41, n. 4, p. 797–808.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017): Cidades. Disponível em:

http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=521880&search=goias|rio-verde. (Consultado 09-01-2017).

Kawakubo, F. S., Morato, R. G., Campos, K. C., Luchiari, A. E., Ross, J. L. S. (2005): “Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento”, In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, p. 2203-2210. Disponível em: file:///C:/Users/Dablio/Downloads/ROSS+-+Caracteriza%C3%A7%C3%A3oEmpiricaDaFragilidadeAmbiental%20(1).pdf. (Consultado 09-01-2017).

Landis, R., Koch, G. G. (1977): “The measurement of observer agreement for categorical data”, Revista Biometrics, v.33, n.1, p.159-174.

Latrubesse, E. M. e Carvalho, T. M. (2006): Geomorfologia do Estado de Goiás e Distrito Federal. Secretaria de Industria e comércio. Superintendência de Geologia e mineração. Goiânia. Disponível em: http://www.sieg.go.gov.br/. (Consultado 02 -01-2016).

Martins, T. I. S. e Rodrigues, S. C. (2012): “Análise e mapeamento dos graus de fragilidade ambiental da bacia do médio – baixo curso do rio Araguari, Minas Gerais”, Revista Caderno de Geografia, v. 22, n. 38.

Prado, R. B. Ferreira, C. E. G. Benites, V. M. Naumov, A. (2009): “Mapeamento e descrição do padrão de uso e cobertura da terra em municípios do sudoeste goiano a partir de imagens orbitais TM/Landsat-5”, Embrapa Solos, Boletim de pesquisa 148, 54p.

Ramalho Filho, A., Beek, K. L. (1995): Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras. Rio de Janeiro, 3ª ed., Embrapa – CNPS. Disponível em: http://library.wur.nl/isric/fulltext/isricu_i11658_001.pdf. (Consultado 09-01-2017).

Ross, J. L. S. (1994): “Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados”, Revista do Departamento de Geografia, São Paulo - SP n.8. FFLCH-USP, 1994 p.63-74.

Rosenfield, G. H., Fitzpatrick-Lins, K. (1986): “A coefficient of agreement as a measure of thematic classification accuracy”, Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, v.52, n.2, p.223-227.

Simões, L. B. (2001): Integração entre um modelo de simulação hidrológica e sistema de informação geográfica na delimitação de zonas tampão ripárias. Tese (Doutorado em Agronomia/Energia na Agricultura) – Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu.

USGS – United States Geological Survey. (2016): EarthExplorer. Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov/. (Consultado 20-01-2016).

SIEG - Sistema Estadual de Geoinformação de Goiás. (2016): Base

Cartográfica para Download. http://www.sieg.go.gov.br/. (Consultado 02 -01-2016).

SpörL, C., Ross, J. L. S. (2004): “Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos”, Revista GEOUSP - Espaço e Tempo, n. 15, p. 39–49.

Wischmeier, W. H. e Smith, D. D. (1978): Predicting rainfall erosion losses: a guide to conservation planning. Washington, United States Department of Agriculture, 58p. (Agriculture Handbook, 537).




DOI: http://dx.doi.org/10.21138/GF.556

Licencia Creative Commons

Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.


GeoFocus es la revista del Grupo de Tecnologías de la Información Geográfica de la Asociación de Geógrafos Españoles. Recibe soporte institucional y técnico de RedIRIS (Red Española de I+D soportada por el Gobierno de España), de la FECYT (Fundación Española para la Ciencia y la Tecnología) y Grumets (Grupo de Investigación Métodos y Aplicaciones en Teledetección y Sistemas de Información Geográfica).